A história de Limoeiro remonta ao período colonial do Brasil e se mistura com a devoção religiosa à sua padroeira, Nossa Senhora da Apresentação, representada pela figura da mãe de Jesus Cristo, Maria, em sua infância. O município da região do Agreste de Pernambuco era uma sesmaria da Vila de Igarassu, onde também existia uma aldeia indígena.

Em meados do século XVIII, no povoado de Poço do Pau, um português chamado Alexandre Moura, devoto fervoroso da Virgem da Apresentação, construiu uma igreja em honra à santa. O templo abrigava missas e festas que atraíam muitas pessoas. Contudo, o padre Ponciano Coelho, responsável por catequizar os indígenas da região, desejava que a movimentação se desse em torno do pé do atual Morro do Redentor, onde ficava o aldeamento. A imagem de Nossa Senhora, então, desapareceu e foi encontrada em um limoeiro, tendo sido posteriormente levada de volta a Poço do Pau. O fato se repetiu diversas vezes. Curiosamente, a imagem sempre era achada debaixo do mesmo pé de limão.

A partir daí, o Padre Ponciano apontou que os acontecimentos sinalizavam uma revelação para a construção de uma igreja naquele local. Também devoto de Nossa Senhora da Apresentação, o sacerdote a nomeou padroeira do lugar. Daquele limoeiro surgiram o povoado de Limoeiro de Nossa Senhora da Apresentação e a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Apresentação, uma das mais imponentes do Estado. Em 16 de junho de 1779, foi fundada a Paróquia de Nossa Senhora da Apresentação, que pertence à Diocese de Nazaré da Mata e, inclusive, é mais velha do que o município.

A Emancipação Política da “Princesa do Capibaribe” foi registrada no dia 27 de julho de 1811, pouco mais de 11 anos antes da independência do Brasil em  relação a Portugal, em Alvará Régio expedido pelo príncipe regente Dom João. Na época, o governador de Pernambuco, Caetano Pinto, solicitou a separação de Limoeiro da Vila de Igarassu por conta do elevado desenvolvimento econômico do povoado, maior exportador de algodão da província. Dom João atendeu o pedido e elevou o território ao status de vila, o qual corresponde ao conceito português de localidade autônoma daquele período. Depois da publicação do decreto, as autoridades locais foram constituídas através da formação da Câmara Legislativa e do Pelourinho Judiciário.

Na recém-formada República Federativa do Brasil, mais precisamente em 6 de abril de 1893, o município vivenciou a sua primeira eleição para o Poder Executivo, vencida pelo comendador Antônio Pestana. Primeiro prefeito de Limoeiro, ele dá nome à praça onde está situado o prédio da Prefeitura Municipal, no Centro da cidade. Por orientação do escritor e professor Antônio de Souza Vilaça, o dia em questão era compreendido como a data de Emancipação Política da “Porta do Agreste” até o ano de 2019. Na ocasião, estudiosos do Instituto Histórico, Geográfico e Cultural de Limoeiro (IHGCL) encontraram provas contundentes acerca da conquista da autonomia política do povoado, datadas de 27 de julho de 1811, e revelaram suas pesquisas à imprensa local, bem como aos poderes Legislativo e Executivo municipais. Enviado pelo prefeito da época, João Luís Ferreira Filho, o projeto de reconhecimento da nova data de Emancipação foi aprovado pelos vereadores da Câmara Municipal, por unanimidade, no dia 27 de março de 2019.

De acordo com o Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Limoeiro tem 55.439 habitantes, dos quais 44.560 vivem na zona urbana e 10.879 moram na zona rural. A cidade é a sede do terceiro clube de futebol mais antigo de Pernambuco e primeira equipe do interior do Estado, o Centro Limoeirense, fundado em 15 de setembro de 1913. Os maiores eventos são a Festa de São Sebastião, o São João de Limoeiro e a Festa de Nossa Senhora da Apresentação, realizados, respectivamente, nos meses de janeiro, junho e novembro. Os principais setores da Economia são o comércio, os serviços e a agropecuária, com destaque, também, para a Educação, onde o Colégio 3º Milênio se consagra como uma das maiores instituições de ensino de Pernambuco. A Cooperativa de Trabalhadores em Educação 3º Milênio tem o orgulho de elevar o nome de Limoeiro na Educação do Estado.